UM BARQUINHO CHAMADO CASAMENTO

received_962685503825591

Crônica de Elias Daniel de Oliveira (21/01/2016)

Certa vez, em uma homilia de casamento, certo padre disse o seguinte aos noivos: “O casamento é semelhante a um barco com um furo no fundo. Quando os noivos contraem o matrimonio, entram neste barco com a seguinte tarefa: um terá que remar e o outro terá que tirar a água do barco com uma canequinha. Depois de certo tempo, mudam de lugar. O que não pode acontecer é um parar de remar e o outro de tirar a água do barco, senão ele não chegará a lugar nenhum ou poderá se afundar…”. A vida a dois é exatamente assim, senão houver uma parceria perfeita, com toda certeza os objetivos não serão alcançados.
Talvez seja um pouco assustador assimilar a união de dois apaixonados com um barco furado. No fundo a comparação não tem a intenção de desanimar ninguém, mas jogá-los dentro da realidade. Que o diga o pastor Cláudio Duarte com as suas inúmeras palestras para casais. Ele é um palestrante da Igreja Batista e as suas falas são fáceis de encontrar na internet. O seu foco é trabalhar este assunto e utilizando o seu estilo hilário nos moldes do Padre Léo. Ele mostra aos seus ouvintes que o casamento mesmo sendo uma benção de Deus, não é nada fácil. Quem optar por se unir em matrimonio deve estar consciente que os problemas surgirão e será louvável saber sair deles com a sabedoria adquirida dos céus.
As mais diversas opiniões se contradizem quando a pergunta é: você vai se casar? Aqueles que não foram felizes nos seus casamentos se apressarão em tirar de cabeça os dois. Até parece que a maneira como ele ou ela tratou o seu cônjuge ou a sua vida familiar é a mais perfeita e ao não dar certo, preferiu desviar o pensamento daqueles noivos que estão dispostos a adotar outra metodologia. Por sua vez, o casal que consegue superar junto às intempéries da vida com sabedoria e sabe fazer das suas dificuldades um trampolim para crescer e melhorar o relacionamento tem a maior facilidade de oferecer um bom conselho aos candidatos ao enlace matrimonial.
Há uma falsa ilusão de que o melhor caminho seria encontrar a mulher ou o homem perfeito. Na verdade tudo neste mundo é uma questão de processo. Há de se perguntar também se o procurador desta perfeição é perfeito o suficiente para que haja a correspondência. Preste atenção na interessante historinha de Paulo Coelho com o título de “A mulher perfeita”: “Nasrudin conversava com um amigo: – Então, Mullah, nunca pensaste em casamento? – Muito. – respondeu Nasrudin – Em minha juventude, resolvi conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, estive em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e linda; mas ela não sabia nada das coisas do mundo. Continuei a viagem e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era bonita. Então resolvi ir até o Cairo, onde, finalmente, jantei na casa de uma moça bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. – E por que não casaste com ela? – Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito”.
Uma excelente dica na procura pela perfeição é um conquistar o outro todos os dias. Lembram da música de Eduardo Costa sobre os mandamentos do amor para conquistar uma mulher: segundo ele “tem que ter carinho, tem que ter jeitinho, tem que dar aquilo que ela quer. Primeiro tudo começa com a paquera. O seu olhar bem dentro do olhar dela. E com jeitinho lhe tire para dançar. Dance macio pra ela se aconchegar. Segundo, um papo para derrubar avião suavemente já pegando a sua mão. Terceiro, um cheiro pra sentir o seu perfume. Olhando as outras pra ela sentir ciúmes. O quarto é brincar no escurinho. Ser o lobo mau e ela o chapeuzinho. O quinto, tem que ser bem safadinho. Preste atenção agora ao sexto mandamento: Ela não vai te esquecer um só momento. Repita a dose se sentir que ela gostou. Na hora h, lhe chame de meu amor. Sétimo toque é lhe falar de paixão. Falar somente das coisas do coração (…)” e por ai vai.
A partir do momento em que há uma reciprocidade, tudo fica bacana. Tem homens que reclamam do período em que as mulheres ficam descontroladas por causa da sua disfunção hormonal, a solução pra isto não é difícil, você não suporta o TPM da sua esposa? Case então com um homem! Simples! Não é culpa dela e não se pode negar que o homem também tem destas fases que fica simplesmente insuportável. Então, o caminho é procurar conviver de acordo com o tratado lá no altar na frente do padre e perante o Santíssimo Sacramento: “Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, até que a morte os separe”.
Um dos grandes vilões que muito influencia na destituição dos casamentos é a televisão com as suas novelas. O telespectador alienado acredita que a verdade pura e simples é aquela transmitida pela telinha. Por sua vez, os autores repassam uma imagem de que não convém viver junto conforme as leis de Deus, até mesmo porque, pra eles isto não da ibope. Assim muitos casais se rompem porque a ideologia da dramaturgia ensinou que o divórcio é legal e é uma atitude das pessoas modernas.
Na verdade esta realidade é falha. O casamento não foi criado para ser rompido. Como foi dito, problemas existem e precisam ser superados como qualquer coisa nesta vida. Tudo bem que em alguns casos seria impossível o relacionamento prosperar devido à gravidade da situação, mas no dia a dia, é obrigação dos dois remar e tirar a aguinha do fundo do barquinho.

Crônica de Elias Daniel de Oliveira (21/01/2016)

Deixe uma resposta