TURBULÊNCIA POLITICA

received_978326632261478

Crônica de Elias Daniel de Oliveira (20/03/2016)

Diante desta turbulência politica a que o Brasil está passando, somos levados também a opinar observando os mais diversos lados para não correr o risco de errar e cometer enganos que, ao invés de ajudar, possa complicar ainda mais a situação. A mídia é a principal responsável para nos repassar tudo o que está acontecendo, e o problema é que ela nem sempre é imparcial, colaborando assim para a intensificação de apenas um dos lados da situação e o povo, empolgado com o agitação do momento se manifesta sem nem ao menos saber o porquê.

Um episódio bem nosso aconteceu por ocasião do ocorrido com a garota Camila que fora assassinada com requintes de crueldades por um psicopata. Como a investigação ainda não estava concluída, o povo optou por fazer a justiça com as próprias mãos quase linchando um inocente exatamente porque alguém havia dito que poderia ser ele o criminoso. Graças a Deus que a polícia foi sensata ao realizar o seu trabalho e não permitiu que o ódio e o furor da população pudessem causar uma injustiça.
Os brasileiros estão assistindo neste instante uma novela da vida real. Com a crise econômica e a descoberta de um alto índice de corrupção que estão empobrecendo o Brasil e acarretando inúmeros desempregos, os ânimos ficam alterados e se não houver cautela, a situação poderá ficar ainda mais complicada. É certo que ficamos numa via de mão dupla, porque no momento em que achamos perigosos os movimentos sociais que normalmente são muito violentos, assistimos na história que muitas mudanças somente aconteceram com a mobilização popular que infelizmente tiveram também feridos e mortos.
Muitos criticam a democracia ou mesmo a politica como ferramenta de governabilidade desgastada e necessitada de reparos. Mas, eu discordo. A democracia é perfeita, ela foi criada pelos gregos na antiguidade e propunha um sistema de governo com a participação popular. O que está acontecendo é que ela está sendo mal usada. Os deputados que estão no poder para nos defender têm olhado mais são seus próprios interesses e diante de um salário que não abala com crise nenhuma deixam a democracia de fato pobre e sem representatividade. Utilizando-se deste mesmo argumento, diria que a POLITICA é perfeita e necessária. O que seria da sociedade se não houvesse os poderes legislativo e executivo escolhidos por intermédio de um pleito? O problema é que a POLITICAGEM se tornou o cabo chefe dos candidatos deixando todos os eleitores desacreditados e desesperançosos. Assim já dizia Bertolt Brecht: “O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio depende das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais”.
Em outras crônicas já discutimos as causas da crise econômica brasileira e não faz sentido ficar lembrando-se delas. Mas não poderíamos deixar de citar que o dinheiro público desviado com a corrupção faz de fato um grande rombo nos cofres do governo. Um estudo realizado pelo Departamento de Competitividade e Tecnologia (Decomtec) da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo) revelou os prejuízos econômicos e sociais que a corrupção causa ao País. O valor chega a R$ 69 bilhões de reais por ano. O site Jusbrasil mostrou em que poderia ser investido este dinheiro, acompanhe: Na Educação – O número de matriculados na rede pública do ensino fundamental saltaria de 34,5 milhões para 51 milhões de alunos. Um aumento de 47,%, que incluiria mais de 16 milhões de jovens e crianças. Nos hospitais públicos do SUS, a quantidade de leitos para internação, que hoje é de 367.397, poderia crescer 89%, que significariam 327.012 leitos a mais para os pacientes. Na Habitação, o número de moradias populares cresceria consideravelmente, aumentaria 74,3%. No Saneamento – A quantidade de domicílios atendidos, segundo a estimativa atual do PAC, é de 22.500.00. O serviço poderia crescer em 103,8%, somando mais casas com esgotos. Isso diminuiria os riscos de saúde na população e a mortalidade infantil. Na Infraestrutura – Os 2.518 km de ferrovias, conforme as metas do PAC, seriam acrescidos de 13.230 km, aumento de 525% para escoamento de produção. Os portos também sentiriam a diferença, os 12 que o País possui poderiam saltar para 184, um incremento de 1537%. Além disso, o montante absorvido pela corrupção poderia ser utilizado para a construção de 277 novos aeroportos, um crescimento de 1383%.
Chegamos então à conclusão que a corrupção é um baita vírus que faz uma bagunça federal no país. Todo este dinheiro que poderia ser investido nas necessidades da população vai para o bolso de ladrões engravatados que se dizem inocentes utilizando-se de discursos muito bem elaborados. O escritor Bruno Resende Ramos tem uma frase bem legal que enriquece bem o nosso tema: “A política brasileira está de tal modo contaminada pela corrupção que o próprio eleitor sente que erra todas as vezes que vota, independente do candidato escolhido”.
Fica difícil encontrar um fim para esta crônica, este assunto nunca se esgota. É extremamente complicado achar uma solução para este problema, até mesmo porque quem precisaria ser julgado é quem está julgando. Quer saber? “O melhor que poderíamos fazer no momento é devolver o Brasil pros índios e pedir desculpa pra eles!” como dizia o escritor João Marcos Veiga.

Crônica de Elias Daniel de Oliveira (20/03/2016)

Deixe uma resposta