Sob proteção da Santíssima Trindade

A igreja celebra neste domingo a festa da Santíssima Trindade. Todos os dias temos o hábito de nos benzer por intermédio desta devoção: “Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo!”. É possível fazer ideia da força que se obtém ao solicitar tamanha proteção. Tanto Deus Pai, quanto Deus Filho e Deus Espírito Santo vêem em nosso favor. Trata-se de um verdadeiro mistério, pois como Deus pode ser um e três ao mesmo tempo? A nossa tarefa de hoje não será necessariamente desvendar este mistério, mas entender e se beneficiar desta graça.

A Santíssima Trindade é o mistério central da fé e da vida cristã. Deus se revelou como Pai, Filho e Espírito Santo. Foi Nosso Senhor Jesus Cristo quem nos revelou este mistério. Ele falou do Pai, do Espírito Santo e d’Ele mesmo como Deus. Logo, não é uma verdade inventada pela Igreja, mas revelada por Jesus. Não a podemos compreender, porque o Mistério de Deus não cabe em nossa cabeça, mas é a verdade revelada.

Santo Agostinho, um dos mestres da Igreja Católica, também teve esta dúvida. É conhecido de todos aquela historinha onde ele encontrou na praia com um garoto que fizera um buraquinho e intencionava colocar ali toda a água do mar. Agostinho chegou a lhe dizer que seria impossível tal proeza, ao que o menino lhe respondeu: É mais fácil eu colocar este mar todinho neste buraquinho do que você entender o mistério da Santíssima Trindade. O santo compreendeu a lição e mesmo sendo um professor de extrema inteligência, preferiu viver a Trindade a procurar explicações. Assim dizia ele: O Espírito Santo procede do Pai enquanto fonte primeira e, pela doação eterna deste último ao Filho, do Pai e do Filho em comunhão”, afirmava também que: O mistério da Santíssima Trindade cristã é o mistério do amor Divino. Você vê a Santíssima Trindade, se você vê o amor [Deus é ágape].” 

A Igreja, por intermédio do II Concílio de Constantinopla, afirmava que: “Só existe um Deus, mas n’Ele há três Pessoas divinas distintas: Pai, Filho e Espírito Santo. Não pode haver mais que um Deus, pois este é absoluto. Se houvesse dois deuses, um deles seria menor que o outro, e Deus não pode ser menor que outro, pois não seria Deus.”

E o Concílio de Nicéia, ano 325, confirmou toda essa verdade: “Cremos em um só Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, nascido do Pai como Unigênito, isto é, da substância do Pai, Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não feito, consubstancial com o Pai, por quem foi feito tudo que há no céu e na terra. Cremos no Espírito Santo, Senhor e fonte de vida, que procede do Pai, com o Pai e o Filho é adorado e glorificado, o qual falou pelos Profetas”.

Perceberam que toda vez que participamos da Santa Missa e iniciamos o terço, aclamamos esta afirmativa? Nós acreditamos que Deus sendo um, torna-se três para intensificar ainda mais as bênçãos sobre nós. Também quando fomos batizados, o sacerdote deixou claro que estávamos sendo introduzidos no mundo cristão sob a proteção da Santíssima Trindade.

Nos casos fortes de exorcismo, há uma necessidade de invocar os três deuses em um para que se concretize o propósito de expulsar o espírito mal.

Até nos momentos de susto, arrepio ou carência, fazemos o sinal da cruz de maneira involuntária. É a Santíssima Trindade oferecendo proteção àqueles que a invoca.

A contemplação da Santíssima Trindade abre o nosso coração para o Deus amoroso, revelado por Jesus Cristo. Consciente de ser Filho, Jesus nos falou do Pai e prometeu o dom do Espírito Santo a quem tivesse fé. Revelou que tinha vindo do Pai e para o Pai voltaria, confiando ao Espírito Santo a missão de dinamizar a caminhada da comunidade de fé. Sempre que falava de Deus, referia-se à Trindade.

A Bíblia só apresenta a Santíssima Trindade no Novo Testamento porque poderia dificultar a aceitação do monoteísmo tão incutido ao povo de Israel. Há textos em que Deus fala de si no plural. Tal forma de expressão é comumente entendida como plural de intensidade. Deus é tão forte, tão vigoroso que fala como se fosse muitos. (Cf. Gn 1,26: “Façamos o homem a nossa imagem e semelhança…”)

A plena revelação da Santíssima Trindade ocorre no Novo Testamento, não, porém de maneira sistemática, mas em linguagem vivencial que a Teologia aprofundou e sistematizou posteriormente.

Santa Tereza dos Andes apresenta uma simpática frase que colabora com a nossa reflexão: “Sejamos Hóstia de louvor a Santíssima Trindade. Como? Cumprindo a cada instante a vontade de Deus”.

A Melhor maneira de encerrar este tema é rezando a Oração da Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo, Santíssima Trindade acompanhai-me toda a vida, dai-me sempre guarida, tende de mim piedade, Pai Eterno, ajudai-me, Verbo de Deus, abençoai-me, Espírito Santo, alcançai-me proteção, honra e virtude, nunca a soberba me ataque e sempre busque o bem, com a Santíssima Trindade para sempre. Amem!

Deixe uma resposta