SALVE O SANTO PROTETOR DO CAMPO

received_941222739305201

 

Crônica de Elias Daniel de Oliveira (17/01/2016)

Com a festa de São Sebastião, a sociedade é levada a refletir sobre os assuntos relacionados ao campo. Isto porque o referido santo é considerado o patrono dos fazendeiros e proprietários rurais. O sertanejo é aquela pessoa que possui uma intimidade maior com a natureza e ela, em troca, lhe fornece tudo aquilo que ele precisa. Assim, o trabalhador rural consegue suprir toda a população da cidade inspirando-se na multiplicação dos pães e dos peixes praticado por Jesus.
O problema é que muitos fatores tem proporcionado o que os estudiosos chamam de Êxodo Rural. A procura de maiores condições de vida o sertanejo tem abandonado o campo para procurar uma vida melhor na cidade. É bom levar em consideração que a tecnologia também tem chegado ao sertão e diante da necessidade de estudos e compreensão das máquinas, muitos jovens preferem pegar a estrada e voltar com um diploma debaixo do braço. O problema é que poucos se especializam nos temas relacionados ao meio rural deixando uma defasagem neste setor que não pode parar jamais.
Bom Sucesso mesmo tem vivido esta cena. Há uma grande necessidade de mão de obra no campo, mas os jovens não querem mais encarar uma enxada. Aqueles que possuem poder aquisitivo para comprar máquinas e equipamentos conseguem se safar, mas, os mais simples precisam se desdobrar procurando forças sabe lá Deus onde. O mercado também jogou para os produtores rurais uma gama de produtos como fertilizantes, agrotóxicos, remédios, dentre outros deixando o pobre coitado encurralado com tantas necessidades que antigamente ninguém havia falado.
Inadmissível é a discriminação a esta classe. Os sertanejos são pessoas maravilhosas, excelentes trabalhadores, hospitaleiros ao extremo e amante da natureza. As pessoas que moram nos grandes centros têm lá as suas características e muitos não trocariam nunca sua vida agitada pela moradia entre animais, árvores, plantas e rios. Mas nada justifica a discriminação. O alimento que chega à cidade é graças ao esforço do homem do sertão.
Você sabe por qual motivo São Sebastião recebeu o título de patrono dos fazendeiros e é um dos santos de grande expressão na Igreja Católica? Vamos então à história: Ele é o patrono dos animais, das plantações, das propriedades rurais, dos fazendeiros e dos trabalhadores rurais. A sua proteção é preciosa para a generosidade dos frutos da terra e dos frutos dos nossos animais. Mas um fato bastante interessante aconteceu no Mato Grosso do Sul, na comunidade de Três Lagoas. Segundo os relatos, a igreja ali surgiu a partir da construção de uma capela  feita como agradecimento a São Sebastião pelo atendimento do pedido feito por um fazendeiro no início da década de 1930. “Naquela época, houve a morte de grande quantidade de animais nas fazendas. Um fazendeiro, temendo que a peste chegasse até a sua propriedade, pediu a São Sebastião que a protegesse. Ele foi abençoado e,  como forma de agradecimento,  iniciou a capela. Por  ter dificuldade para finalizar a obra,  solicitou a ajuda de outros fazendeiros. Os registros marcam o ano de 1936 como o momento inicial das obras e a finalização ocorreu um ano depois”.
Mas, o que fez de extraordinário este soldado romano? São Sebastião era um cristão autêntico. Resolveu se inscrever no Exército Romano, particularmente, na guarda pessoal do Imperador Diocleciano, para poder confortar os cristãos que eram prejudicados e perseguidos por confessarem a sua fé católica. Converteu a muitos nos cárceres e deu a sua bendita presença naqueles momentos difíceis que os cristãos eram instados a adorarem aos ídolos pagãos para não serem martirizados. São Sebastião recebeu as flechas para que, agonizando devagar, pudesse renegar a sua fé e adorar ao augusto imperador. Mas ele foi salvo por seus companheiros cristãos. Curado comparece diante do Imperador e professa a sua fé em Jesus Cristo Ressuscitado. E ele admoesta o Imperador que deveria se converter ao Cristo, renunciando aos ídolos e as paixões desordenadas. O Imperador num ímpeto de fúria e de raiva determinou aos seus guardas que matassem Sebastião a cacetadas, atirando-lhe pedaço ou bolas de chumbo.
Na nossa cidade ele é considerado o segundo padroeiro. Mais do que auxiliar a paróquia como mais um santo inspirador, São Sebastião é o protetor de tudo aquilo relacionado ao campo. Como a economia de Bom Sucesso é baseada no meio rural, este mártir proporciona bons cultivos, pecuária invejável e um clima privilegiado que garante uma boa produção. Em agradecimento à esta chuva de bênçãos, os fazendeiros têm o hábito de doar gado para o leilão e, logicamente ajudar a paróquia no seu trabalho de evangelização e condução à salvação eterna.
Para garantir esta proteção, a melhor maneira de encerrar esta crônica é com a oração de São Sebastiâo: “Glorioso mártir São Sebastião, soldado de Cristo e exemplo de cristão, hoje vimos pedir a vossa intercessão junto ao trono do Senhor Jesus, nosso Salvador, por quem destes a vida. Vós que vivestes a fé e perseverastes até o fim, pedi a Jesus por nós para que sejamos testemunhas do amor de Deus. Vós que esperastes com firmeza nas palavras de Jesus, pedi-Lhe por nós, para que aumente a nossa esperança na ressurreição. Vós que vivestes a caridade para com os irmãos, pedi a Jesus para que aumente o nosso amor para com todos. Enfim, glorioso mártir São Sebastião, proteja-nos contra a peste, a fome e a guerra; defendei as nossas plantações e os nossos rebanhos, que são dons de Deus para o nosso bem e para o bem de todos. E defendei-nos do pecado, que é o maior de todos os males. Assim seja. Amém!”.

Crônica de Elias Daniel de Oliveira (17/01/2016)

Deixe uma resposta