Otimismo e pessimismo nas intempéries da vida

Recentemente uma novela encerrou os seus trabalhos com um bordão bastante interessante: “Tudo que está ruim é para melhorar”. É possível afirmar que esta frase seja uma guia para os otimistas e um “nada a ver” para os pessimistas. Mas, em se tratando de viver a vida intensamente, faz-se necessário fugir daquilo que causa problemas, mas se não for possível, faça dele um degrau para crescer.

14694744_1133068040120669_1409230177_nCerta vez alguém disse: “O mundo é dos otimistas, os pessimistas são meros expectadores”. Mas como viver em um mundo tão carregado de dificuldades? Neste ponto os pessimistas ganham créditos. Na verdade viver não é fácil. Desde a luta para entrar no óvulo, onde milhões de espermatozoides brigam entre si até no momento da morte onde há outra batalha contra a resistência, o processo de aproveitar cada instante é de fato penoso. A frase: “Se na vida você não encontrar problemas, é sinal que a sua luta não seja justa” de autoria desconhecida, é bastante salutar para esta reflexão. Parece que já estava embutido no pacote recebido dos céus o enfrentamento das intempéries da vida. E vejam que até Jesus passou por momentos difíceis. As dificuldades se concentram em todos os pontos, como ambiental, econômico, político, social, físico, religioso e por ai vai. É difícil compreender que a solução para todos os males está facilmente concentrada no cérebro, mas ninguém tem a senha para acessar e procurar resolução. É por isto que os pessimistas caem de braçadas neste tema ficando assim desacorçoados c om a vida.

Ao tentar justificar a necessidade de lutar sempre, há de considerar que a vida seria muito sem emoção, caso tudo fosse apenas flores. O maior orgulho de um desportista é poder chegar à vitória depois de ter se esforçado ao máximo passando por dificuldades, cansaços, vontade de desistir, dor, suor e vendo o concorrente na cola. Na vida também é assim, desde o nascimento até a morte acontece uma verdadeira corrida para se alcançar os objetivos propostos. Muita coisa contribui para a intensificação da desistência, mas aquela vozinha da consciência não permite e o resultado final virá ou mais cedo ou mais tarde.

A luta diária tem que ser constante! Em alguns momentos a derrota se faz presente, mas a o sucesso está logo ali na frente. É tudo uma questão de tempo! Lembram a música Aquarela de Toquinho e Vinicius? “O futuro é uma astronave que tentamos pilotar, não tem tempo, nem piedade, nem tem hora de chegar, sem pedir licença, muda a nossa vida e depois convida a rir ou chorar. Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá. O fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar…”.  Já que o futuro é então tão incerto, o que resta fazer é viver cada momento como se não houvesse o amanhã, conforme já filosofava Renato Russo em uma de suas canções.

Quem acredita na misericórdia de Deus encontra sempre uma força a mais para viver os momentos nada agradáveis do dia a dia. Os descrentes tentam utilizar as suas próprias forças e acabam por não ter tanto sucesso jogando assim para o acaso a culpa do seu fracasso. Sendo o homem possuidor de uma personalidade bem individual sem brechas para a coletividade, faz com que deseje sempre crescer em detrimento de outros, proporcionando assim os mais diversos problemas comuns na sociedade. Por exemplo, a ânsia diante da necessidade do dinheiro faz com que ele mova céus e terra para possuir algum bem, nem que por isso ele precise desgraçar alguém. Vejam então que o capitalismo que surgiu como uma solução para a eliminação da pobreza acabou por intensificá-la. O homem é o único ser que mesmo sabendo todos os caminhos para viver bem, opta por complicar as coisas. Neste ponto os animais tiram de letra e servem de lição para quem sempre se considerou ser superior.

Ao tratar o tema “OTIMISMO VERSUS PESSIMISMO E AS INTEMPÉRIES DA VIDA”, faz-se necessário chamar a atenção daqueles que acomodam quando acham que a sua cruz tá muito pesada. Conta uma historinha que um homem julgava sua Cruz muito pesada. Fazia a jornada da vida, entre os demais, carregando de má vontade os próprios problemas.    Pensou muito em como amenizar o fardo e um dia, resolveu assim serrar um pedaço  da sua Cruz. Isso o satisfez por certo tempo, até que, de novo, decidiu serrar mais um pedaço. Os anos se passaram e muitos pedaços foram cortados. Por fim, o homem levava uma minúscula Cruz. Chegando ao termo da viagem, para todos, à margem de uma vala. Do outro lado, apareceu um anjo, que deu boas vindas a todos e instruiu:    -Deponham suas cruzes sobre a vala. É a medida exata para servir de ponte para cá. Mas cada um só pode atravessar pela própria cruz.    O homem olhou a largura da vala, comparou com sua Cruz e olhou para o anjo. Mas este lhe disse:   – É uma pena, mas você deve voltar e juntar todos os pedaços serrados, emendá-los e trazer a cruz inteira a seu termo.

Encerro então aqui a reflexão de hoje. Sejam todos bem vindos de novo ao quadro “Crônicas”. Envie-nos suas sugestões e reclamações. Até a próxima!

Crônica de Elias Daniel de Oliveira (09/10/2016)

Deixe uma resposta