Município pode ser indicado como produtor artenasal de queijo minas

queijo-da-canastra

BELO HORIZONTE (09/09/2016) – São João Batista do Glória, no Sul mineiro, está iniciando o processo para se integrar oficialmente à área de abrangência da região produtora do Queijo Minas Artesanal, conhecida como Canastra.

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) iniciou o estudo de caracterização técnica do município, objetivando esse fim. O passo é necessário para que o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) também conceda ao município, o registro de Indicação Geográfica (IG), na modalidade Indicação de Procedência (IP).produtora-de-queijo-em-sao-joao-batista-do-gloria-editada
Se for admitido, São João Batista do Glória será o oitavo município das redondezas e proximidades do Parque Nacional da Serra da Canastra a ser reconhecido como integrante do grupo de produtores que fabricam Queijo Minas Artesanal da Canastra. Os outros municípios que já fazem parte da região produtora desse típico queijo mineiro e possuem o registro da IG de procedência são: Bambuí, Delfinópolis, Medeiros, Piumhi, São Roque de Minas, Vargem Bonita e Tapiraí. Estes municípios possuem várias particularidades naturais, socioculturais e econômicas em comum, encontradas somente nesta região. Entre elas, o modo de se fazer e consumir o queijo artesanal.

O gerente regional da Emater-MG em Passos, Frederico Ozanam de Souza, explica que o processo agora é apenas burocrático, uma vez que a Associação dos Produtores de Queijos da Canastra (Aprocan), detentora da marca “Região do Queijo da Canastra”, já aprovou a entrada de São João Batista do Glória. “Há dez anos os produtores do município reivindicam isso. A Emater já está realizando a caracterização para instrumentalizar tecnicamente o pedido do Estado ao INPI, que pode autorizar o município a utilizar a marca”.

De acordo com o gerente, cerca de 30 produtores locais deverão ser beneficiados diretamente com a medida. “Do ponto de vista econômico, isso vai representar um importante ganho para os produtores de queijo do município, pois vai agregar valor ao produto, aumentando a renda deles, ressalta. Segundo Frederico, o queijo artesanal produzido no município hoje está em torno de R$ 18 o quilo, mas com o selo do INPI deverá ser comercializado em R$ 30. Um aumento significativo de 67%.

Produtora familiar promete investir

A produtora familiar Luciana Rita Soares Vilela aguarda ansiosa o registro do INPI e faz planos. Dona de uma pousada rural, que ela e o marido tocam em sociedade com parentes, Luciana conta que, por enquanto, eles fazem queijo do tipo frescal pra consumo e venda aos hóspedes da casa, mas que já planejam investir no autêntico queijo minas da região da Canastra . “Produzimos o queijo frescal, que é feito de leite aquecido e coalho, mas queremos fabricar o queijo curado. Estamos nos preparando para fazer a sala de maturação”, revela.

Na avaliação da produtora, a inclusão de São João Batista da Glória na região da Canastra vai motivar mais os produtores de queijo e de leite da região, uma vez que a renda tende a aumentar. “Acho que vai melhorar muito para os nossos pequenos produtores, pois atualmente a fabricação de queijo aqui não cobre as despesas com a produção de leite. Acredito que agora, muitos vão fabricar o Queijo Minas Artesanal da Canastra”, argumenta.

É considerado Queijo Minas Artesanal, aquele que é feito a partir de leite cru, não pasteurizado, utilizando o fermento lácteo natural “pingo”, e a prensagem manual. A sua confecção carrega toda uma tradição no modo de fazer, além das influências dos fatores físico-naturais, como as pastagens que alimentam o gado e as bactérias específicas dos microclimas de cada uma das regiões produtoras. O tempo de maturação (cura) do queijo também é um diferencial, pois confere aparência e sabor peculiar, conforme a região onde é produzido. O estado é divido em sete regiões produtoras: Araxá, Campo das Vertentes, Canastra, Cerrado, Serro, Serra do Salitre e Triângulo Mineiro. Duas delas, Canastra e Serro são reconhecidas por IG do tipo Indicação de Procedência.

A concessão do IG pelo INPI, órgão vinculado ao Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, protege o produto de eventuais falsificações em sua composição, garantindo a procedência dele o que aumenta a sua competitividade em relação a outros. A IG pode ser de Denominação de Origem ou de Procedência, como é o caso do Queijo Minas Artesanal da Canastra e do Serro. A Indicação de Procedência refere-se ao nome do local que se tornou conhecido por produzir, extrair ou fabricar determinado produto ou prestar determinado serviço.

* Informação foto: Produtora Luciana Vilela

Assessoria de Comunicação – Emater-MG

Jornalista responsável: Terezinha Leite

Tel: (31) 3349-8021 / 3349-8096

Email: terezinha.ascom@emater.mg.gov.br

www.emater.mg.gov.br

facebook.com/ematerminas

Deixe uma resposta