Mosquitinho Maldito

dengue41

O tema de hoje já foi tratado em outros momentos, mas devido à gravidade da situação, é salutar voltar a comentá-lo. O personagem que motivará esta crônica e ao mesmo será alvo de muitas críticas é um inseto que possui o nome cientifico de Aëdes aegypti, mas pode chamá-lo no popular de DENGUE, o primo do pernilongo, o mosquito maldito que tem proporcionado inúmeras mortes e como se não bastasse voltou a todo vapor apresentando um novo parente, o Chikungunya, provavelmente originado da Colômbia. Esta turminha não veio para brincar, mas já se tornou epidemia e se as pessoas não ficarem atentas, poderão ser exterminadas por completo.

O assunto de fato já está saturado, ninguém mais aguenta ouvir falar sobre este mal do século, mas se providências não forem tomadas, a situação poderá ficar sem controle. A dengue pode ser transmitida por duas espécies de mosquitos (Aëdes aegypti e Aëdes albopictus), que picam durante o dia e a noite, ao contrário do mosquito comum, que pica durante a noite. Os transmissores de dengue, principalmente o Aëdes aegypti, proliferam-se dentro ou nas proximidades de habitações (casas, apartamentos, hotéis), em recipientes onde se acumula água limpa (vasos de plantas, pneus velhos, cisternas etc.).  Já a Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae.

Até que se invente alguma coisa que possa exterminar este inseto, a solução é todo mundo evitar a sua proliferação. Se as pessoas tamparem as suas caixas de água, não deixar água parada nos vasos de flores, vasilhames inúteis no fundo do quintal, bem como pneus e calhas entupidas, este maldito mosquitinho poderá não se reproduzir. É necessário também fazer uma faxina periódica na vasilhinha de água dos animais domésticos e brigar feio com o vizinho que não toma os mesmos cuidados. Acontecem muitos casos de pessoas cuidadosas que são vitimas da picada deste indesejado pernilongo contaminado por causa da sujeira nos lotes alheios.

Os sintomas são nítidos, febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Na febre chikungunya acontece o acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local. É bom lembrar que nem sempre quem aparece com estes sintomas esteja de fato infectado. Faz necessário fazer os exames para confirmação e nem todos os pernilongos listados são necessariamente da dengue, o causador do mal está contaminado e não é possível descobrir isto a olho nu.

A situação está tão grave que Brasil registrou 220 casos de dengue por hora nos três primeiros meses deste ano.  O total de casos soma quase meio milhão, e mais da metade está concentrada no estado de São Paulo, que já vive uma epidemia. Em número de casos a cada cem mil habitantes, a região Centro-Oeste é a que está pior. Em seguida, vem a região Sudeste, com 357 por cem mil habitantes. Depois, as regiões Norte, Nordeste e Sul.

Aqui perto, na cidade de Lavras, a situação já é de emergência. Por lá tem uma confirmação de dengue a cada hora; na última semana foram 214. Os números não param de crescer e a cidade tem mais casos confirmados que Belo Horizonte. As confirmações cresceram de forma assustadora, há uma semana eram 555 casos e agora, 769, um aumento de 214 novos em sete dias, uma média de mais de 30,5 novos casos por dia, isso quer dizer 1,2 pessoa com dengue a cada hora.

O mosquito Aedes aegypti mede menos de um centímetro, tem aparência inofensiva, cor café ou preta e listras brancas no corpo e nas pernas. Costuma picar, transmitindo a dengue, nas primeiras horas da manhã e nas últimas da tarde, evitando o sol forte. No entanto, mesmo nas horas quentes ele pode atacar à sombra, dentro ou fora de casa. Há suspeitas de que alguns ataquem durante a noite. O indivíduo não percebe a picada, pois não dói e nem coça no momento. Por ser um mosquito que voa baixo – até dois metros – é comum ele picar nos joelhos, panturrilhas e pés.

A fêmea do Aedes aegypti voa até mil metros de distância de seus ovos. Com isso, os pesquisadores descobriram que a capacidade do mosquito é maior do que os especialistas acreditavam.

O Ministério da Saúde disse que repassou R$ 150 milhões em recursos para todos os estados e municípios intensificarem as medidas de vigilância, prevenção e controle da dengue. Deus permita que este dinheiro não seja desviado e que as prefeituras possam fazer a sua parte.

Na nossa aconchegante Bom Sucesso a situação não é tão confortável assim. Não temos precisão nos números, mas muitos casos já foram confirmados e muitos outros suspeitos. Além da contaminação pelo mosquito germinado nos quintais dos displicentes, a nossa proximidade com Lavras, onde já foi declarada situação de epidemia, pode proporcionar o mal pelas bandas de cá. Como? Simples! Alguém é picado pelo mosquito infectado em outra cidade, consegue se tornar um hospedeiro e traz a infecção contribuindo para o aumento do número neste local que ainda possui números modestos.

O escritor Ademar Marques Marinho disse que o Brasil é a terra da corrupção, dengue e do povo medroso e acomodado. Para dar uma sacudidela nas pessoas, nos inspiremos no Grupo Skank, quando cantava: “ô pacato cidadão eu chamei a sua atenção não foi a toa não. Pra que tanta sujeira nas ruas e nos rios qualquer coisa que se suje tem que limpar se você não gosta dele, diga logo a verdade e sem perder a cabeça, sem perder a amizade”.

Para encerrar, lembre-se que a dengue mata! Fique esperto! Você pode ser a próxima vítima! Faça a sua parte que o mundo será melhor!

Deixe uma resposta