INTOLERÂNCIA

liberdade_religiosa

Causou uma grande polêmica a atitude de uns manifestantes da Parada Gay acontecida em São Paulo no último domingo, dia 07 de junho. Os participantes do movimento tiveram a idiota ideia de confrontar com os cristãos simulando cenas sagradas como uma lésbica nua pregada em uma cruz, tal como homossexuais imitando Jesus beijando outro homem na boca. É certo que nem todos participantes e simpatizantes do movimento compartilharam, mas que foi uma ousadia sem precedentes, isto foi. E a sociedade não pode ficar inerte a este tipo de acontecimento.

A constituição abre margem para qualquer tipo manifestação popular que tenha como objetivo a defesa dos direitos do homem e do cidadão. Os homossexuais, sentindo-se injustiçados com as criticas que recebem com frequência, bem como as exclusões a que são submetidos, tem toda razão de mostrar para a sociedade a sua importância e que a sua opção sexual não pode interferir nas suas condições de cidadãos. Mas o quesito TOLERÂNCIA tem que ser observado. Querendo chamar a atenção da sociedade, os manifestantes poderão deparar com o ódio e a intensificação desta exclusão. Os cristãos não podem tolerar esta afronta aos seus símbolos sagrados. A sorte destes manifestantes é que os defensores da fé aqui no ocidente não é nem de perto parecido com a intolerância muçulmana. Todos se lembram do resultado daquela revista francesa que exibia charges de zoeiras contra Maomé.

Com toda certeza aqueles manifestantes tem alguma iniciação religiosa nas suas vidas. Provavelmente foram batizados ou mesmo oriundos de famílias com princípios cristãos. Agora, querendo oferecer as suas opiniões, se acham na liberdade de cuspir naquele prato que comeram. Ou seja, usam a imagem de Jesus para atacar os críticos de religião que lhes chamam com frequência a atenção por seus abusos na opção sexual no contexto social.

Deus é muito bom e misericordioso. Em contrapartida o demônio bate palmas pela atitude destes manifestantes e lhes reserva em troca proteção e um lugar bem bacana nos quintos dos infernos. Esta intolerância com os temas sagrados é uma forma de procurar a própria ruína. São inúmeros exemplos de casos reais de pessoas que usaram o nome de Deus em vão e tiveram um fim drástico. Não que o Pai do Céu seja vingativo, mas o próprio demônio se encarrega de fazer acontecer a desgraça.

A sociedade atual tem se deparado com muitos problemas sociais ocasionados pelo afastamento das coisas de Deus. Por causa da condição de estado laico, já foi pedido a retirada dos crucifixos das repartições públicas, já não são permitidos nomes religiosos em escolas, cidades ou órgãos públicos. A própria frase “Deus seja louvado” colocado nas notas que identificam a moeda brasileira já foi criticada. No fundo, estão querendo fortalecer os princípios da Nova Era.

É bom deixar claro que não é intenção desta crônica criticar os homossexuais e o seu movimento. A crítica está bem clara quanto àquelas cenas de afronta aos símbolos sagrados. No período medieval estas pessoas seriam consideradas bruxas e queimadas nas fogueiras da inquisição. Eles não fazem ideia do mal que promoveram não simplesmente à fé dos cristãos, mas a toda uma sociedade que, embora não participe tanto da igreja, reconhecem a importância da religiosidade para a nação.

Tal como lá cruz, certamente Jesus disse: “Pai, perdoa-os, eles não sabem o que fazem”. Ali tinha muita gente boa, pessoas que não concordaram com aquela modalidade de manifestação. Uns poucos ou, umas poucas, conseguiram sujar todo o bonito propósito de cobrança por direitos e simpatia da população. Foi por pensar de mais ou por não pensar nada que agiram assim. As pessoas precisam raciocinar mais. Para chamar a atenção é necessário utilizar as ferramentas corretas e não atacar as pessoas e objetos sagrados. O que fizeram foi muito feio e uma retaliação seria bem bacana por parte do grupo para com a sociedade.

O cantor, produtor musical e rapper norte-americano Eminem disse o seguinte no ano de 1972: ”Eu não me importo se você é negro, branco, hétero, bissexual, gay, lésbica, baixo, alto, gordo, magro, rico ou pobre. Se você for gentil comigo, eu serei gentil com você. Simples assim”.

Se o LGBTTTS (LésbicasGaysBissexuaisTravestisTransexuaisTransgêneros e simpatizantes) quiser a simpatia de todos precisa rever o projeto de divulgação da filosofia do grupo. O melhor caminho seria mostrar que não são necessariamente diferentes, apenas possuem uma opção sexual pouco convencional, no mais são pessoas normais, bons profissionais, filhos de Deus e não há nenhuma necessidade de exageros.

Muitos setores da mídia têm preferido detonar situações em que aparece algum tipo de religiosidade e simplesmente informar como notícia comum esta da parada gay de São Paulo. Um bom exemplo foi a comemoração do Neymar no final de semana, pela Liga dos Campeões da Europa, evento assistido por mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo, o jogador, autor do último gol do Barcelona, comemorou a vitoria com uma faixa estampada na testa: 100% Jesus. O jogo foi realizado em Berlim na Alemanha e os jornais franceses falaram mal demais do Neymar por ele ter comemorado a vitoria do time, estampando o nome de Cristo na testa.

Como é tido como crime a HOMOFOBIA, qualquer tipo de agressão verbal ou física aos Homossexuais, o líder do PSD na Câmara dos Deputados, Rogério Rosso (DF), protocolou nesta segunda-feira, 8, um projeto de lei que torna crime hediondo ultraje, impedimento ou perturbação de cultos religiosos. Na proposta, o deputado ataca o que chama de “Cristofobia” e sugere como punição, além de multa, aumento da pena para quatro a oito anos de reclusão.

Para encerrar, diria que Tolerância é também como canja de galinha, não faz mal pra ninguém!

Crônica de Elias Daniel de Oliveira (14/06/2015)

Deixe uma resposta