Começando a dar tchau para 2014

Muito pouco tempo falta para encerrar este ano de 2014 e a Igreja Católica já iniciou o advento. O ano novo já está batendo na porta e junto aquela expectativa de mudança, enquanto ela ainda não acontece, a retrospectiva passa pela cabeça juntando sentimentos o medo e esperança. Esta ótica direcionará a  reflexão de hoje.

Dizer que foi um ano difícil não seria mentira e muita gente concordaria. É lógico que não se trata de uma afirmação generalizada, isto porque, se foi ruim pra alguém, provavelmente foi bom para outros. Como a crônica é um texto de opinião, vamos então explorar os nossos pensamentos, lembrando que as ideias contrárias também são bem vindas, afinal de contas, vivemos em uma democracia.

Pessoalmente achei 2014 bastante tenso. Estranho, mas parece que foi um ano com particularidades não acontecidas há muito tempo. Um exemplo é a grande seca que amargurou o sudeste brasileiro, especialistas diziam que a última vez que aconteceu algo parecido foi em torno de 80 anos atrás. A derrota do Brasil para a Alemanha na copa do mundo por uma diferença horrorosa jamais foi vista. Por falar em Copa do Mundo, foi um ano de gastos inimagináveis. Há quem diga que este dinheiro faltou nos hospitais e escolas, o governo nega, mas enquanto cidadãos, não é possivel pensar de outro jeito.

Muita gente acredita que a Copa do Mundo que aconteceu no Brasil parece ter retardado a mente dos brasileiros. No primeiro semestre aquela expectativa! Para quem sempre diz que o ano começa depois do carnaval, desta vez parece que prorrogaram para o segundo semestre. E pior é que, ressacado com o fiasco do resultado, os brasileiros parece que não souberam como continuar a vida. E olha que não estou falando apenas dos cidadãos, mas também dos governantes.

Por falar em gastos, lembramo-nos da economia. Que ano complicado! Até em cidades pequenas como a nossa foi possível assistir lojas vazias ou entrando em falência. Se tiver alguma relação com o campeonato mundial, é difícil dizer, mas que o dinheiro sumiu das mãos dos brasileiros isto é verdade. Foi exatamente neste ano que o homem considerado um dos mais ricos do Brasil, proprietário investidor das empresas que pertenciam a MMX, não conseguiu se manter no trono.

Foi um ano de desenterrar defuntos, principalmente no alto escalão do governo. O que estava sendo desviado da Petrobrás era coisa de louco. A caça aos corruptos se intensificou e a Policia Federal trabalhou muito. Se houve justiça ou injustiça por parte dos juízes do supremo, não sabemos! Mas que deixou muito peixe grande de cabelo em pé, isto foi verdade.

E a política? Meu Deus do céu, que ano maluco! Até morte de candidato aconteceu neste sinistro 2014. Com as eleições sendo discutidas apenas a alguns meses do pleito, parece que os brasileiros não tiveram tempo de levar a sério o assunto.  Nunca os eleitores ficaram tão indecisos para votar. Foram muitos que somente decidiram na urna de votação, sem contar os que votaram por votar.

Foi neste ano que por um jogo político o Supremo Tribunal Federal julgou inconstitucional a Lei 100 e deixou na mão cerca de 90 mil servidores.

Nos acidentes, destaque para o do interior de São Paulo que carregava estudantes e o escolar que também carregava alunos em pleno dia das crianças na cidade vizinha de Ibituruna que só não foi mais fatal, porque Deus enviou um monte de anjos para proteger aquela molecada.

O que esperar do 2015? Poderá ser um ano bom e promissor, por outro lado poderá ser uma continuidade da tensão. A Igreja propõe o tempo do advento. A palavra “advento” tem origem latina e significa “chegada”, “aproximação”, “vinda”. No Ano Litúrgico, o Advento é um tempo de preparação para a segunda maior festa cristã: o Natal do Senhor. Neste tempo, celebramos duas verdades de nossa fé: a primeira o nascimento em Belém e a segunda vinda de Jesus. Assim, a Igreja comemora a vinda do Filho de Deus entre os homens e vive a alegre expectativa da segunda vinda d’Ele, em poder e glória, em dia e hora desconhecidos.

Não que eu esteja dizendo que o mundo vai acabar daqui uns dias diante de tanta coisa esquisita, mas a única saída para evitar o pior é se apegar aos anjos de Deus. Somente eles poderão nos auxiliar e ajudar a sobreviver os males da vida. Como dizia Nossa Senhora de Fátima nas suas aparições: “Rezem muito e peçam incessantemente, porque eu estou cheia de graças para vos oferecer!”.

O que poderá acontecer daqui a alguns segundos fica totalmente por conta do acaso. Mesmo sabendo que Deus cuida de cada segundo da nossa vida, alguns males comuns não depende d’Ele. Viva cada instante com bastante plenitude e como ninguém tem acesso ao futuro, curta bastante o presente, nunca perca a sintonia com Deus e prepare o futuro com sabedoria, inclusive preparando-se para suportar aquilo que é complicado.

Deixe uma resposta