APRECIAÇÃO DO VINHO E SUAS PROPRIEDADES

11653412_833314720096004_1391511352_n

A mais clássica de todas as bebidas também entrou para o contexto popular e é apreciada em todo o mundo, a tal ponto de ser considerada, inclusive, rejuvenescedora. O próprio Jesus a apreciava e em vários momentos foi citado na Bíblia. O tema que mobilizará a reflexão de hoje será o vinho, o já declarado pelos gregos e romanos como “bebida dos deuses”. O vinho consegue acompanhar todas as classes sociais, bem como está na lista das mais antigas e possui um diferencial de preço que varia entre cinco reais e quinhentos mil dólares.

Os especialistas do assunto garantem que a apreciação de um bom vinho passa por todo um ritual. O seu sabor parece diferenciar quando seguido de todos os protocolos. Cada um bebe do seu jeito, mas a fineza e a classe tornam o ato de beber um bom vinho uma identificação de classe social.

A história não consegue precisar o surgimento desta bebida, acredita-se que possa ter surgido junto com a Revolução Agrícola, a partir da domesticação das vinhas, há mais ou menos oito mil anos numa região conhecida como Cáucaso, hoje Turquia, Geórgia e Armênia, embora haja registros de dois milhões de anos do plantio de uvas na era glacial o que provavelmente poderia ter servido para a produção de uma bebida semelhante ao vinho. Os gregos chegaram, inclusive, a reservar deuses para celebrar o seu consumo. Trata-se de dos deuses Dionísio e Paco e seu culto era carregado de muita bebedeira.

Todas as navegações da Idade Moderna atravessavam os oceanos com muito vinho para entreter os tripulantes, bem como para aliviá-los de cansaço e dores.  Um dos melhores registros do cultivo de uvas para a produção de vinhos vem dos achados arqueológicos no Egito. Lá também está a origem dos primeiros rótulos, onde havia informações sobre uvas, safras e até descrição dos sabores sobre jarras de barro.

Foram os povos helênicos os primeiros a estudar as propriedades medicinais do vinho. Segundo pesquisas da Sociedade Europeia de Cardiologia, basta uma taça diária para diminuir em pelo menos 11% o risco de infecção por bactérias que causa uma série de doenças, como úlceras, gastrites, infecções e muitos tipos de câncer. O vinho também fortalece os ossos, veias e artérias, prevenindo muitos problemas que podem surgir no futuro, como a osteoporose e varizes.  Há quem diga até que as mulheres que têm dificuldade de engravidar, se beber vinho regularmente conseguirão, enfim alcançar o seu propósito.

O ponto mais polêmico de todos é quanto ao fato de poder ou não engordar. Infelizmente os consumidores desta preciosa bebida tendem a engordar sim, de acordo com os especialistas. Mas, dentre todas as bebidas alcoólicas, o vinho é que tem menos calorias, se bebido moderadamente. Se comparar um copo de cerveja com a mesma quantidade, o vinho será mais calórico. Isto porque o teor alcoólico dele é mais alto. O que engorda no vinho é, na verdade, o açúcar que não se transforma em álcool durante a fermentação.

Uma pesquisa publicada no The Journal of Sexual Medicine, realizada com 800 mulheres italianas, concluiu que quem consome duas taças de vinho por dia, apresenta aumento no nível de desejo e satisfação sexual. Isto acontece porque os compostos dos vinho tinto aumentam o fluxo de sangue em áreas específicas do corpo.

São muitas as dicas de etiqueta para tomar um bom vinho. Algumas delas relatam que não se bebe gelado, ele deve ser servido em taça apropriada e nunca cheia até a borda, normalmente 1/3 com vinho tinto, ½ do branco e ¾ do espumante. Ao terminar de servir, deve rodar ligeiramente a garrafa e sempre beber olhando para a bebida e não para quem se está conversando. Ao blindar, deve-se olhar nos olhos da pessoa com quem está blindando e se estiver usando batom, evitar que o mesmo não manche a taça. Cabe também ao anfitrião nunca deixar a taça ficar vazia.

Por se tratar de uma bebida alcoólica, vicia também. Assim, os bebuns clássicos precisam de moderação e caso já sejam vitimas do excesso, cai bem procurar tratamento. O teor alcoólico do vinho é bem superior ao da cerveja e o seu alto consumo pode acarretar tonteiras e ressacas, fundamentalmente por causa do açúcar e dos seus componentes químicos.

O especialista em vinhos é chamado de ENÓLOGO. No Brasil só existe uma Universidade que oferece este curso, está em Bento Gonçalves na Serra Gaúcha.  Ele é responsável por todas as decisões de produção: análise do solo, métodos de irrigação, escolha das mudas, da melhor técnica para plantar, para podar e colher.  Após a colheita ele define as técnicas de vinificação, os cortes (mistura de uvas), o tempo de amadurecimento e a hora de colocar o vinho no mercado. Também precisa tomar decisões importantes durante todo o processo de produção e estas decisões são fundamentais para o resultado final, o vinho.

Por ser uma bebida de tamanha importância e com propriedades que destacam, Jesus fez uma referência ao seu sangue no momento da Santa Ceia. Hoje, na celebração eucarística, o sacerdote consagra a bebida e a torna sagrada para lembrar o momento penoso por qual viveu o Mestre dos Mestres que morreu numa cruz em prol da salvação da humanidade.

Crônica de Elias Daniel de Oliveira (21/06/2015)

Deixe uma resposta