A Quaresma de cada um

maxresdefault

Ao refletir o tema QUARESMA acompanhamos o sofrimento de Jesus. Em uma das leituras nos deparamos com a tentação no deserto. No momento de fraqueza, cansaço, fome e tristeza, instante em que o corpo já não tem forças, aparece o demônio para incomodá-lo e testar a sua paciência. Superando a sua própria força, Jesus consegue discutir e colocar o inimigo no seu devido lugar. Esta cena se passou com o nosso mestre, o problema é que por mais que tentemos imitar Jesus, as nossas forças são poucas para vencer os obstáculos que a vida nos traz.

Todos os dias somos pegos com os mais diversos problemas. Vários deles chegam sem pedir licença. Até parece uma novela, onde diante da calmaria, o diretor providencia algumas cenas quentes para provocar a opinião popular. Todos estes acontecimentos não tem nenhum relacionamento direto com a má sorte, também não significa dizer que somos desgraçados ou desamparados. Possuir inconveniências na vida é comum a todas as pessoas, uma frase popular diz o seguinte: “se na sua vida você não tiver problema, pode ser que a sua luta não seja justa”. Ou seja, assim que você nasce, já está subtendido o inicio de uma batalha que só vai terminar quando morrer.

Um detalhe cai em nosso favor enquanto cristãos, temos em nosso favor os anjos da guarda. Não possuímos a força que o mestre Jesus teve no bate-boca com o demônio, mas diante da proteção dos anjos conseguimos superar os momentos difíceis.

Uma música de Nelson Ned, cantada por Antônio Marcos, relata o desespero de uma pessoa que estava com problema amoroso e não sabia sequer rezar e a tristeza ocupava o seu coração. Assim a canção deixava a sua mensagem: “Eu hoje estou tão triste. Eu precisava tanto conversar com Deus, falar dos meus problemas, também lhe confessar tantos segredos meus! Saber da minha vida e perguntar porque ninguém me respondeu. Se a felicidade existe realmente ou se é um sonho meu! Meu Deus! Não sei rezar! Perdoe e por favor Perdi meu tempo aprendendo amar alguém que nunca soube o que é o amor”.

Já notaram que mesmo os descrentes, no momento de sufoco apela a Deus proteção? É natural que isto aconteça. Todos somos filhos do mesmo Pai, alguns desviam do seu caminho, mas sabem que nos momentos difíceis, melhor é recorrer aos anjos.

Neste instante é salutar lembrar uma passagem bíblica onde uma mulher cananeia solicitou a Jesus que libertasse a sua filha de um espírito maligno. Ela e o seu povo não eram adeptos do cristianismo e o mestre então resolve dizer a ela da preferência pelos seus discípulos e seguidores com a frase: “Não é convém tirar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos” (Mt. 15,21-28). Jesus quis dizer que há uma prioridade de bênçãos àqueles que lhes são fieis. Mas, ainda assim, a mulher surpreende-o dizendo: “Sim, senhor, mas até os cachorrinhos comem das migalhas que caem das mesas de seus donos”. Então respondendo, disse-lhe Jesus: “Ó mulher, é grande tua fé! Seja feito conforme o teu desejo”. E a partir desta hora sua filha estava curada.

Nosso Deus é misericordioso, nem Ele resiste a uma pessoa de joelhos!

O período da quaresma nos leva a refletir que somos fracos e não sobreviveríamos sem a proteção divina. O site da Canção Nova nos apresenta a seguinte mensagem: “Neste tempo, somos levados pela Igreja a seguir Jesus em seus últimos momentos de vida para – junto com Ele – aprendermos o que é o amor e a misericórdia. Por diversas vezes, o Senhor vai se revelando como o rosto misericordioso do Pai, assumindo até as últimas conseqncias a vontade do Pai, que é salvar a cada filho. É um caminho de “subida”, não só para Jerusalém, mas até o mais alto grau do amor que se concretiza na cruz”.

Por falar em cruz, fica aqui a recomendação: Deus te dá a cruz conforme você consiga carregar. Não ouse querer abreviar os seus sofrimentos cortando um pedaço dela, logo ali na frente poderá ter um abismo onde do outro lado fica o paraíso e a cruz será a sua ponte de travessia.

É bom lembrar também que as provações a que estamos constantemente sujeitos não tem nada a ver com Deus, na verdade trata-se de coisas do mundo, ou quase que do próprio inimigo. O nosso Pai do Céu vem sempre em nosso favor. Afinal de contas ele não desampararia nunca os seus filhos! Lembra daquela passagem? “E qual de entre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra? E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente? Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem? ( Mt.7,10-11).

Deixe uma resposta